Dente e Garra – Tooth and Claw

/Dente e Garra – Tooth and Claw

Depois de ter ficado por quase dois meses sem nenhum conteúdo novo pra vocês no canal, eu finalmente caprichei no roteiro e gravei um vídeo incrível pra vocês! Eu sei, eu sei, dois meses sem conteúdo novo é muuuito tempo, mas como Doctor Who teve seus hiatos, o canal e o site infelizmente também teve seu mais longo hiato até o momento. E tomara que esse seja o último, pelo menos nos próximos meses. Mas, o texto ficou muito bom e o vídeo, melhor ainda!

Quem quiser pular o texto e ir direto para o vídeo, e só ir até o final desta página ou clicar aqui para nos visitar diretamente no canal.

Como vocês devem se lembrar, no dia 22 de abril fez 12 anos que foi lançado o episódio Tooth and Claw (Dente e Garra). Pois é, o segundo episódio da segunda temporada da série atual foi lançado no dia 22 de abril de 2006. E é sobre ele que vamos falar aqui hoje.

Quem ainda não assistiu ao episódio e não gosta de spoilers, aconselho reservar uns 40 – 45 minutos do seu dia para assistir o episódio, e voltar aqui pro texto ou pro vídeo.

Quem já assistiu ou quer arriscar levar spoiler, vamos nessa!!

Esse episódio, teve uma média de 9,24 milhões de visualizações em seu lançamento. Além disso, em 5 de junho de 2006, o episódio foi lançado em um DVD básico, sem características especiais, juntamente com “School Reunion” e “The Girl in the Fireplace”. E em 20 de novembro do mesmo ano, foi lançado como parte de um boxset da segunda série, que inclui alguns comentários em áudio do autor Russel T. Davies, do supervisor de efeitos visuais David Houghton e do diretor de arte Stephen Nicholas.

Esse episódio foi muito importante para identificarmos o perfil do Décimo Doutor, para vermos o que poderíamos esperar dessa temporada e para definirmos e descobrirmos alguns fatos importantes sobre o Instituto Torchwood.

Com esse episódio, nós podemos começar a perceber bem como o Décimo Doutor é aficionado pela cultura pop do século XX e como ele tem uma inteligência bem alta em relação a encarnações anteriores e como ele utiliza sua inteligência e seu conhecimento acerca da história da humanidade e da cultura pop para o desenrolar do episódio e tentar ajudar as pessoas envolvidas na história que o episódio retrata.

Nessa temporada é desenvolvido o arco acerca da história e criação do Instituto Torchwood, apresentado pela primeira vez no episódio “Bad Wolf” de 2005, na temporada anterior. O que acontece no episódio Dente e Garra, deixa a Rainha Vitória horrorizada, o que acarreta no banimento do Doutor e da Rose e na criação do Instituto Torchwood, que mais tarde é responsável pela separação do Doutor e da Rose que vão ficando cada vez mais próximos durante essa temporada.
E aqui a gente já começa a ver um entrosamento bem grande entre o Doctor e sua Companion, o que nos trás alguns momentos de comédia e divertimento numa situação de suspense.

O episódio foi escrito rapidamente por Russel T. Davies, o diretor foi Euros Lyn e o produtor Phil Collinson. Claro que também vai ter: Departamento de Arte, Câmera e Iluminação, Pós Produção e mais um montão de gente por trás que faz acontecer, mas os destaques vão para:

  • Rory Taylor – diretor de fotografia
  • Edward Thomas – designer de produção
  • The Mill – efeitos visuais
  • Sheelagh Wells – designer de maquiagem
  • Andy Pryor – diretor de elenco
  • Murray Gold – música
  • Louise Page – designer de figurino
  • Crispin Green – edição
  • Any Effects – efeitos especiais

Os papeis principais são de:

  • David Tennant – The Doctor
  • Billie Piper – Rose Tyler
  • Pauline Collins – Rainha Victoria
  • Ian Hanmore – Padre Angelo
  • Michelle Duncan – Lady Isobel
  • Derek Riddell – Sir Robert

A ambientação do episódio ocorre na Torchwood House (Casa Torchwood), na Escócia em 1879.

O Doutor queria mostrar a Escócia de 1979, mas por um pequeno erro de cálculo aí de uns 100 anos apenas, foram parar no país do Reino Unido governado pela Rainha Victoria. Não só isso, eles toparam com ela e acabaram se tornando seus protetores. Ela estava a caminho de sua peregrinação anual para cortar um diamante gigantesco que seu marido havia achado anos atrás, e por um pequeno “acidente de percurso” teve que se dirigir à Casa Torchwood para passar a noite.

Um monte de monges carecas ninjas que eram os vilões da história, já estavam infiltrados na casa como criados. Eles prenderam todos os empregados da casa no porão, juntamente com a Lady Isobel, esposa de Sir Robert, os donos da casa. E para que eles ficassem quietinhos lá, sem fazer barulho, fingindo que não existiam, eles deixaram uma criatura assustadora enjaulada no porão. A ameaça era que se eles fizessem qualquer barulho, a criatura os comeria.

Por um infortúnio, Rose acabou indo parar no porão junto com esse pessoal todo aí. Mesmo com medo e tensão, ela resolveu conversar com a criatura para descobrir mais sobre ela. Afinal de contas ela percebeu que não era desse planeta, era um alien, e como ela já havia conhecido outros seres de outros planetas talvez pudesse ajudar.

Enquanto isso o Doutor jantava com Sir Robert e a Rainha Victoria e escutava a história de Sir Robert acerca de sua família. Foi onde o Doutor passou a desconfiar que as criaturas da história de Sir Robert poderiam estar entre eles naquele exato momento e dirigiu ao porão onde todos estavam presos.

Acontece que abriram uma porta do porão, a luz da lua cheia entrou, e o rapaz enjaulado se transformou num lobisomem!! Nesse momento, Rose começou a incitar a todos ali para puxar as correntes para que elas saíssem das paredes. Seu plano deu certo, o Doutor chegou, botou todos para correr dali e achou aquela criatura linda.

O plano dos monges era iniciar o Império do Lobo, com o lobisomem dando uma mordidinha na Rainha Victoria, para seus genes entrarem em sua corrente sanguínea e seus herdeiros dali para a frente se tornarem lobisomens também.

Acontece que o plano deu, mas não deu certo. Correria pra cá, correria pra lá. Gente morre aqui, gente morre ali. O Doutor, a Rose e a Rainha Victoria acabam cercados na sala onde estava o imenso “telescópio”. O Doutor pega emprestado o diamante da Rainha, com a ajuda da Rose posiciona o “telescópio”, e nesse exato momento o lobisomem entra na sala e ataca a Rainha Victoria. Ele dá um arranhãozinho de leve na sua mão, mas é atingido pela luz do “telescópio” e puf! Desaparece no ar.

Mas aí fica aquela dúvida, porque a Rainha Victoria diz que foi apenas uma farpa da porta que arrebentou e arranhou sua mão.

Para quem quiser dar uma olhadinha, no site oficial de Doctor Who na BBC, tem algumas cenas dos bastidores.

Nele a gente consegue ver que o grupo de monges carecas lutadores é um grupo local de lutadores de kickboxing; que eles colocaram uns colchões nas cenas para os atores não se machucarem; como eles fizeram para içar o corajoso Steward, que se deu mal no final; como eles fizeram para imitar a luz da lua entrando no porão ao abrir a porta; que eles usaram aqueles painéis verdes para alguns efeitos do lobisomem e também uma roupa especial para ajudar na computação; é aqui também que a gente vê que um simples toque pode fazer toda a diferença ao montar um cenário; e que o “telescópio” não é tão grande quanto parece, eles utilizam uma tecnologia CGI trickery para estender o telescópio; além de ver como seria cômico ver a Rainha Victoria lutando contra uma parede verde, e também podemos ver o David Tennant relaxando nos intervalos das gravações.

Só não coloco todas essas fotos aqui senão o post ficaria muito pesado e vocês não conseguiriam abrí-lo! Beleza?! 😉

O desafio da equipe de produção era tornar o episódio um tanto quanto assustador, e em Doctor Who Confidential é explicado que um jeito de deixar o episódio com essa cara mais sombria foi prendendo todo mundo de uma maneira ameaçadora no porão, além de um pouco como foi feita a montagem dos efeitos sonoros do lobisomem. E uma opinião minha também, seria as imagens mais escuras, mais sombrias que a gente vê nesse episódio porque pode reparar, geralmente episódios e filmes mais sombrios eles jogam um conjunto de cores mais escuras pra dar esse ar mais sombrio, e são poucas as cenas mais claras que a gente tem nesse episódio.

Pra finalizar a história, a Rainha Victoria consagra o Doctor e a Rose como cavaleiros, mas os bane de seu reino, devido aos perigos estranhos e desconhecidos que eles representam e podem trazer consigo para seu mundo. Mas, ela fica intrigada com tudo isso, porque percebe que podemos estar cercados por outras coisas estranhas e alheias aos nossos conhecimentos que pessoas comuns não conseguiriam lidar, e que deveria proteger suas fronteiras de todos os lados. Então decide criar o Instituto Torchwood, em homenagem ao nome da casa, ao sacrifício do Sir Robert e à genialidade do pai do Sir Robert, para cuidar desses assuntos incomuns a partir de então.

Quando o Doctor e a Rose estão voltando para a TARDIS, ele explica a ela que a Rainha Victoria de fato tinha uma doença em seu sangue e que surgiu misteriosamente, e que o arranhão que o lobisomem deu nela explicaria essa mudança genética inexplicável, e eles brincam que toda a família real poderia ser uma família de lobisomens. Na real, ela sofria de hemofilia. Um de seus filhos, o segundo mais novo foi o primeiro a sofrer de hemofilia B, e duas de suas cinco filhas também eram portadoras do gene defeituoso, e só descobriram depois de tornarem mães. Essa mutação genética que era presente na Rainha Victoria e seus descendentes, mas não em seus antepassados, levaram a algumas especulações sobre sua paternidade, porque não existem registros de hemofílicos na família de sua mãe mas os homens sofrem da doença mas não a transmitem. O que acredita-se é que o mais provável é que tenha acontecido uma mutação genética espontânea, porque em cerca de 30% dos casos de hemofilia aparece por causa de mutações espontâneas e é mais frequente em crianças nascidas de pais mais velhos, e o pai dela já era bastante velho quando ela nasceu. Ele tinha aí uns 52 anos quando ela nasceu, o que era muita coisa pra aquela época. Informação importante mas não relevante: a Rainha Victoria veio a falecer no dia do meu aniversário: 22 de janeiro de 1901, aos 82 anos, por aí.

Ah, é claro que não posso deixar de mencionar que uma das frases mais memoráveis do Doutor surgiu desse episódio:

Bom galera, por hoje é só. Eu espero que vocês tenham gostado.

Allons-y, e até a nossa próxima viagem pelo tempo e espaço!! <3 =D <3

By | 2018-06-28T22:06:03-03:00 junho 28, 2018|Extras|0 Comments

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.